Escrito e ilustrado por Mauricio Negro e Vãngri Kaingáng
Coleção Muiraquitãs > Global Editora, 2010

JÓTY LE TAMANOIR
edição francesa
> Éditions Reflets d'ailleurs, 2012

> Finalista 1ª Bienal Continental das Artes Indígenas Contemporâneas
Museu Nacional da Cultura Popular, Cidade do México, 2012

A sabedoria sempre acompanhou o povo Kaingang, que descende de duas metades criadoras diferentes: Kanhru e Kamé. Uma delas rege o Sol e todas as criaturas do dia. E a outra, a Lua e todos os seres da noite. Para que a vida faça sentido, os opostos devem se unir. Por isso, tempos atrás, os Kaingáng decidiram casar suas metades. Casamentos, de fato, aconteceram. Ninguém queria ficar incompleto. Mas, faltou festa!

> Clique aqui para ouvir uma versão da história na voz de Cristiana Ceschi

> Clique aqui para ouvir o depoimento de Vãngri Kaingáng

Os Kaingang já tinham muitos conhecimentos sobre suas origens, plantas e animais. Vãngri Kaingáng e Mauricio Negro recontam, através de palavras e pinturas acrílicas feitas à quatro mãos, como os Kaingang conseguiram aprender os segredos do canto, da dança e da música para celebrar a união harmoniosa entre as metades.

Os Kaingang – entre os três maiores povos indígenas do Brasil – vivem em mais de trinta Terras Indígenas, distribuídas em quatro estados brasileiros do sul e do sudeste, que representam apenas uma pequena parte de seus territórios tradicionais. Foram pelos europeus contatados já no séc. XVI. Mas a partir do séc. XVIII, suas terras foram cobiçadas e invadidas. Apesar disso, e das pressões que ainda sofrem, os Kaingang tem preservado sua estrutura social, crenças, rituais, arte, mitos, saberes e identidade. 

As ilustrações deste reconto tradicional foram feitas a partir de quatro telas pintadas com tinta acrílica pelos autores, ao vivo, durante uma performance artística na Feira de Literatura Indígena de Mato Grosso (FLIMT), em 2009. Outros elementos visuais, como os grafismos tradicionais Kaingang e alguns adereços confeccionados por Vãngri Kaingáng, também foram utilizados no projeto gráfico e ilustrações. JÓTY, O TAMANDUÁ foi elaborado para todo leitor interessado na percepção holística dos Kaingang sobre a vida, a natureza e a música.

using allyou.net